Os historiadores portugueses, na sua grande maioria, nunca se serviram muito da elaboração de mapas para ilustrar tanto análises quanto sínteses. Esta linha de investigação desenvolve-se com o intuito de colmatar essa falha, e dessa forma aproximar a historiografia portuguesa da dos melhores exemplos internacionais.